12 de dezembro de 2009

Merda poética

Estes são versos de um dos meus poetas favoritos, Paulo Leminski. Em tese, combinaria mais com meu outro blog, mas como estes versos são uma merda, achei mais parecido com o titaníticos

Merda e ouro

Merda é veneno.
No entanto, não há nada
que seja mais bonito
que uma bela cagada.
Cagam ricos, cagam pobres,
cagam reis e cagam fadas.
Não há merda que se compare
à bosta da pessoa amada.

Um comentário: